VOLKSWAGEN NO BRASIL



Fábrica do fusca no Brasil em 1959
 

Ano

Eventos

1950

No mês de novembro, chegam ao Brasil os 30 primeiros VW.

1953

Em um galpão alugado em São Paulo, começa a montagem do VW 1200

1956

Inicia-se a construção da primeira fábrica no Km 23,5 da Via Anchieta em São Bernardo do Campo - SP. De 1953 a 1956 são montados 2.268 unidades com peças trazidas da Alemanha.

1957

No mês de setembro inicia-se a produção do primeiro veículo fabricado pela VW no Brasil, a Kombi.

1959

No dia 3 de janeiro inicia-se a fabricação do VW Sedan 1200. A fábrica é inaugurada oficialmente no dia 18 de novembro.

1962

O Fusca lidera as vendas no mercado brasileiro com mais de 31 mil unidades. Tem inicio a fabricação do Karmann Ghia (tipo 14).

1967

Em 4 de julho a produção total chega a 500 mil veículos fabricados. O motor 1200 é trocado pelo 1300 e o vidro traseiro se torna 20% maior.  Inicia-se a produção do Puma com mecânica VW 1500.

1968

Em dezembro é lançado o VW 1600 quatro portas  (Zé do Caixão). O Fusca passa a utilizar sistema elétrico de 12 volts.

1969

Aparece o VW 1600 Variant.

1970

Aparece o VW Sedan 1500 (Fuscão), com faróis traseiros um pouco maiores e tampa do motor com aberturas para ventilação. No final do ano surge o VW TL 1600. Aparece o novo Karmann Ghia TC.

1971

É encerrada a fabricação do VW 1600 (zé do caixão), depois de 24.475 unidades produzidas.

1972

A produção do fusca alcança 1 milhão de unidades produzidas. Em junho aparece o esportivo SP-1 (65cv), SP-2 (75cv). É encerrada a produção do Karmann Ghia (tipo 14).

1973

Neste ano são vendidas 224 mil unidades, representando 40% de todas as vendas de veículos no Brasi. Surge a Brasilia.

1974

Surge o VW 1600 (Super Fuscão). A VW é recordista em vendas com 237.323 vendidas em um ano. Em setembro é iniciada a fabricação do VW Passat 1500.

1975

É encerrada a produção do Karmann Ghia TC. A Puma adota o chassis da Brasília.

1976

A produção do Fusca chega a 2 milhões. Surge o Passat TS 1600. Em fevereiro o SP-2 deixa de ser produzido (total fabricado: 10.205 unidades, sendo 88 unidades do SP-1). A TL também deixa de ser produzida (total fabricado: 109.313 unidades)

1977

A Variant deixa de ser produzida. É lançada a Variant II, com suspensão dianteira McPherson. 

1979

São utilizadas luzes traseiras circulares grandes (no fusca) e é introduzido o motor a álcool (fusca, Brasília).

1980

No mês de maio é lançado o Gol 1300, com motor dianteiro refrigerado a ar e tração dianteira. A Variant II é retirada de linha (total de unidades produzidas: 41.002).

1981

Surge o Voyage, com motor dianteiro refrigerado a água, derivado do Passat e o Gol adota também o motor 1600 a ar.

1982

Em março é suspensa a fabricação da Brasilia (cerca de 1 milhão de unidades fabricadas em 9 anos). Aparecem os modelos derivados do Gol (Parati e Saveiro). O VW adota oficialmente o nome FUSCA para os veículos que até então já vinham sendo chamados de “fusca”.

1985

Começa a produção do VW Santana. Fusca recebe novo motor a álcool de dupla carburação.

1986

Em 31 de outubro é produzido o último fusca, o de número 3.321.251 desde 1959.

1987

É criada a Autolatina, uma joint-venture entre a VW e Ford. Aparecerem VW com motor Ford e Ford com motor VW.

1988

Chega ao fim a produção do Passat (mais de 800.000 unidades produzidas).

1993

No dia 23 de agosto é reiniciada a fabricação do Fusca. O então presidente do Brasil, Itamar Franco, interessado em gerar mais empregos e produzir um automóvel popular, incentivou a VW do Brasil.

1994

Depois do fracasso, chega ao fim a Autolatina (Ford e VW se “separam”)

1996

No dia 11 de julho, depois de apenas 47.700 unidades produzidas, o Fusca deixa de ser novamente produzido.
O total de fuscas produzidos no Brasil chegou a 3.367.390 unidades.
 

 

 


Karmann do Brasil

 

No ano de 1962, apenas três anos depois da fabricação do primeiro Fusca no Brasil, inicia-se a fabricação do Karmann Ghia (tipo 14) com motor de 1200 cm3, com as mesmas características do modelo original alemão.

A VW do Brasil produzia o chassis e os componentes mecânicos e a Karmann Ghia do Brasil fabricava a carroceria e realizava a montagem e o acabamento. Em seguida o veículo retornava à VW que era a responsável pelas vendas e assistência técnica.

 

 

 

 

 

O modelo brasileiro tinha pára-choques diferentes e pára-lamas com pequenas alterações

 

 

 

 

No ano de 1967 o KG passou a utilizar o motor de 1500 cm3.

 

 

 

 

 

Em janeiro de 1968 é lançado o Karmann Ghia conversível. Somente foram produzidas 177 unidades.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No ano de 1970 o KG passou a ser equipado com motor 1600 cm3, vidros traseiros com abertura regulável e luzes traseiras maiores.

 

 

 

 

 

Em 3 de agosto de 1970 é lançado o novo Karmann Ghia TC (Touring Coupé), com modelo desenhado no Brasil. Tinha motor de 1600 cm3, igual ao utilizado no Variant (tipo 3)

 
 
 

No ano de 1972 encerra-se a fabricação do Karmann Ghia (tipo 14) e no ano de 1975 encerra-se a fabricação do Karmann Ghia TC.

 

 

 

 

Quantidades produzidas no Brasil:

 

 

 

Karmann Ghia (Tipo 14) motor 1.200 cm3

9.263

Karmann Ghia (Tipo 14) motor 1.500 cm3

11.280

Karmann Ghia (Tipo 14) Conversível motor 1.500 cm3

130

Karmann Ghia (Tipo 14) motor 1.600 cm3

2.850

Karmann Ghia (Tipo 14) Conversível motor 1.600 cm3

47

Total Karmann Ghia (Tipo 14)

23.570

 

 

Karmann Ghia TC

18.119

 

 

 


SP-2, um mito brasileiro


  

No início da década de 70, os automóveis esportivos no Brasil eram o Karmann Ghia (produzido pela VW e Karmann Ghia do Brasil) e o Puma, produzido por uma empresa independente mas que utilizava componentes mecânicos da VW.

Nesses anos a importação de veículos pelo Brasil era proibida e por isso essas eram as únicas opções para quem queria um automóvel esportivo.

  

Como as vendas do Karmann Ghia não tinham o mesmo sucesso das do Puma, a VW decidiu participar do mercado de automóveis esportivos com um modelo novo, audaz e moderno.

  

A resposta da VW foi um automóvel totalmente desenhado no Brasil, não uma adaptação baseada no chassis do fusca. Com estilo aerodinâmico e agressivo, ainda belo até hoje. Sua frente era inspirada no modelo VW 412 alemão, com faróis duplos, igual a toda linha brasileira de automóveis.

O protótipo foi apresentado em março de 1971 na Feira da Indústria Alemã de São Paulo e em julho de 1972 foi lançado com muito sucesso no mercado.
Três mil unidades foram produzidas naquele segundo semestre de 1972.

 

O SP-2 tinha motor de 1.679 cm3, com dupla carburação (Solex 34 PDSIT), 75CV, freios a disco dianteiros, frisos laterais refletivos, limpadores de pára-brisa pantográficos, pára-choques de borracha. Painel bastante completo, com velocímetro, conta-giros, relógio, amperímetro, marcador de combustível e temperatura do óleo, luzes nas portas, acendedor de cigarros embutido, bancos em couro, cintos de segurança de 3 pontos, pneus radiais.

 





 

Inicialmente foi produzido o SP-1, com motor de 1.584 cm3, do qual somente 88 unidades foram produzidas.

O SP-2 continuou em linha até fevereiro de 1976, sendo produzidas 10.205 unidades.

 

 

 


VW tipo 3 no Brasil
 
 

Seguindo o exemplo de matriz alemã, a filial da VW no Brasil, no ano de 1968, lançou o VW 1600 quatro portas, que ficou conhecido como Zé do Caixão.

 

 

 

 

 

No ano seguinte, 1969, lançou o VW Variant 1600

  

 

Depois, em 1970, trocou o farol retangular dianteiro de toda linha por faróis duplos redondos.

 

 

 

 

 

Também em 1970, lança o VW TL 1600.

 

 

 

 

No ano de 1971, suspende a fabricação do VW 1600 quatro portas (Zé do Caixão). Foram produzidas um total de 24.475 unidades.

 

 

 

 

 

Em 1972 os modelos da Variant e da TL recebem novo estilo de frente

 

 

 

 

No ano de 1973 é lançada a Brasília. Com linhas modernas e retas, ampla área envidraçada. Era econômica e espaçosa e mantinha a robustez VW.


A família VW para 1975

 

 

 

 

 

No ano de 1976 paralisa-se a fabricação do VW TL 1600 (109.285 unidades produzidas). No ano de 1977 paralisa-se a fabricação do VW Variant 1600 (250.000 unidades produzidas)

 

 

 

 

O VW Variant II, uma versão mais moderna, foi produzida entre dezembro de 1977 a 1980 sem muito sucesso. Mecanicamente mais moderna, com suspensão dianteira tipo Mc Pherson, motor 1600 cm3 e dupla carburação (parecia uma Brasília mais grande).

 

 

 

 

 

No ano de 1982 A Brasília é retirada de linha (950.000 unidades produzidas no total)

 

 

 

 

 

EM CONSTRUÇÃO.....

 

voltar.JPG (4882 bytes)

curiosidades_litlle.JPG (3655 bytes)

avancar.JPG (5296 bytes)


 

Variedades  |   Os Primórdios do Automóvel   |  Primeiros Automóveis no Brasil   |   História em Fotos Indústria Automobilística   |   Santos Dumont - do Automóvel ao Avião   |   Motor a Explosão  |  Mini Carros - Romi Isetta   |   O Volante   |   Motor de Arranque   |   A Roda   |    Injeção de Combustível   |   Motor a Água   |    Lâmpada (farol)    |   Amortecedor    |   Motor Rotativo Wankel   |   Carros Conceito   |   Carros no Cinema e na Televisão   |   PUMA   |  CADILLAC   |   CHRYSLER AIRFLOW   |   Veículos NACIONAIS   Produção de Veículos